A proposta de nova Lei de Finanças Locais desagrada à Associação Nacional de Municípios Portugueses, nas isenções de IMI ou receitas do IVA, e no PSD também se considera que não está a ser cumprido o acordo da descentralização.

Num parecer enviado ao parlamento, a Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) alertou que a proposta de Lei das Finanças Locais apresentada pelo Governo denota “um enorme recuo naquilo que era o caminho apontado, e legitimamente esperado”, em relação às isenções de IMI (Imposto Municipal sobre Imóveis) do património do Estado.

A proposta de lei resume-se “ao fim da isenção de IMI somente para os prédios do Estado que se encontrem devolutos”, o que para a ANMP é “completamente inadmissível”, lê-se no documento.

A proposta governamental propõe uma participação na receita do IVA de 5%, mas apenas relativa ao imposto cobrado nos setores do alojamento, restauração, comunicações, eletricidade, água e gás, quando no anteprojeto apresentado à ANMP, embora sem concretizar a percentagem, abrangia os estabelecimentos de comércio e de serviços da circunscrição territorial municipal.

“A par disso, abate o montante daquela participação no cálculo da subvenção geral (Fundo de Equilibro Financeiro) e ainda adia a transferência desta nova e parca receita, no pleno, para o ano de 2021”, criticou a associação.

Para a ANMP é ainda “fundamental avaliar o impacto desta nova receita em matéria de Fundo de Coesão Municipal”, requerendo o acesso urgente aos dados poder realizar essa avaliação e, uma vez que o Governo admitiu ser possível conhecer a repartição territorial do IVA a partir do primeiro trimestre de 2019, que a participação na nova receita seja antecipada para 2020.

Em relação ao Fundo de Financiamento da Descentralização, que o Governo já estimou em 1,2 mil milhões de euros, para o desempenho das novas competências das autarquias locais e entidades intermunicipais, a ANMP defendeu “um período transitório” que permita monitorizar a adequação das verbas às competências transferidas.

Segundo o parecer, “importa refletir” ainda sobre questões como “o cumprimento integral da lei em 2019”, e não apenas em 2021, como aponta o Governo, “o aumento da participação municipal nos impostos”, a “revisão dos critérios base de distribuição”, a “distribuição de verbas entre municípios” ou a “responsabilidade financeira dos eleitos locais”.

“No essencial é uma proposta que não agrada aos municípios e também não resolve o problema da descentralização, porque a Lei das Finanças Locais não cumpre o objetivo principal que é trazer os montantes que cada município precisa receber para poder assumir as novas competências”, afirmou à Lusa a deputada Berta Cabral.

A vice-presidente do grupo parlamentar do PSD salientou que o Governo “surpreendentemente recuou em duas receitas que estavam na anteproposta apresentada à ANMP, que tem a ver com o IMI sobre todos os imóveis púbicos do Estado e na base de incidência do IVA”, o que “dá um valor muito inferior ao que seria expectável”.

A também coordenadora do grupo de trabalho parlamentar da descentralização, reativado no âmbito da comissão de Ambiente, Ordenamento do Território, Descentralização, Poder Local e Habitação, para apreciar a proposta da Lei das Finanças Locais, admitiu que será preciso mais elementos para prosseguir com o dossier da descentralização.

“Vamos aguardar para ver o que o Governo tem para dizer, mas neste momento a informação que temos é manifestamente insuficiente e não cumpre o acordo assinado com o PSD. Isso é fundamental e é uma linha vermelha, o acordo é para ser cumprido”, frisou.

O acordo assinado a 18 de abril, entre o Governo e PSD, assumiu que a aprovação da lei-quadro deve ser complementada pelos decretos-lei setoriais, pela revisão da Lei das Finanças Locais e pelos “envelopes” financeiros associados a cada autarquia.

“O que nos parece é que se procura dar mais responsabilidades às autarquias, mas em relação aos meios não fica muito claro, até porque esta alteração à Lei das Finanças Locais não é para entrar em vigor agora”, comentou Pedro Soares (BE).

O presidente da comissão de Ambiente e Poder Local notou à Lusa que o Bloco de Esquerda ainda está a analisar a proposta do Governo, mas para já suscita “alguma preocupação”.

“O que está em curso é um processo de municipalização e responsabilidades que são do Estado social, nomeadamente a educação, a saúde, não deviam ser transferidas para as autarquias, deviam ser para outra escala, no mínimo uma escala regional”, advogou.

Loading...
DIVULGAR SITE NA INTERNET
International Exhibitions
shemale transsex pornstar escort
Dentistry
Do NOT follow this link or you will be banned from the site!

This Website is Protect and Copyright ©

MDlabs Malicious url block
Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE

Livemocha
how to earn money online from home
cosmetic dentistry